13 de abril de 2006

COMO FAZER RELATÓRIO ACADÊMICO


Relatório de pesquisas laboratoriais


1. Introdução: É onde se definem as intenções que estão na base do projeto de investigação e a necessidade de o levar a cabo. Precisamos de demonstrar o modo como o nosso projeto se ajusta ao campo principal da investi­gação e de que modo evolui a partir da investigação anterior.
A forma habitual de o realizar é fazendo refe­rência aos relatórios considerados mais importantes para a investigação em curso (em relatórios mais extensos isto é normalmente denominado «revisão dos relatórios escritos»). Teremos de discutir as lacunas da pesquisa já efetuada para mostrarmos quais as intenções que estão na base do nosso próprio estudo ou experimentação. Significa isto que se trata de uma mera réplica a um estudo de terceiros no sentido de comprovar os seus resultados? Ou pretendemos, na realidade, clarificar um problema que a discussão de pesquisas anteriores tornou evidente? Talvez a intenção seja preencher uma lacuna nos registros de pesquisa, ou fazer avançar a pesquisa mais um passo. Esta intenção subjacente deve ser evi­denciada no último parágrafo da introdução onde são definidos de modo muito conciso os objetivos ou hipó­teses a explorar no projeto.

2. Materiais e métodos: Nesta seção definem-se todos os pormenores da amostra, as intenções, a pesquisa e a metodologia, para além dos instrumentos utilizados no estudo. A informação que fornecermos deve ser sufi­cientemente detalhada para que o leitor possa seguir ou repetir ele próprio a experiência.

3. Resultados: Aqui são apresentados os resultados da investigação sob a forma quantitativa, normalmente utilizando gráficos, tabelas e dados estatísticos. Cada tabela deve ser claramente identificada com uma legenda, onde conste toda a informação relevante sobre o tema e as medidas utilizadas e necessárias a uma correta e total interpretação dos dados. Devemos resumir por palavras os pontos principais de cada quadro, cha­mando a atenção para quaisquer conclusões significati­vas. Essas conclusões serão o objeto da discussão na seção final do relatório. Se nos pedirem que apresen­temos todos os dados em bruto (ou seja, antes de terem sido classificados em tabelas isoladas ou submetidos a análise estatística), podemos fazê-lo num anexo ao relatório.


4. Discussão: Devemos iniciar esta seção pondo de ime­diato em evidência a relação entre as descobertas e os objetivos considerados inicialmente, tais como foram apresentados no final da introdução. É então necessário passarmos a discutir a relevância dos resultados e comentarmos as contradições ou as variações não espe­radas nesses mesmos resultados. E habi­tual concluirmos um relatório sugerindo melhorias ou modificações que devam ser efetuadas nas pesquisas futuras sobre o tema.

5. Referências

6. Anexos



Relatório de trabalho de campo

Os relatórios de trabalhos de campo tendem a ser mais fle­xíveis e variados na sua estrutura do que os rígidos relatórios de pesquisas laboratoriais acima descritos. Apesar disso, um relatório de trabalho de campo é mais uma variante do relató­rio de trabalho laboratorial do que uma forma de escrita autô­noma; e chegaremos facilmente à conclusão de que esse tipo de relatórios tem uma estrutura básica comum:

  1. Título
  2. Introdução (incluindo objetivos)
  3. Metodologia (quando for o caso)
  4. Apresentação de dados
  5. Discussão
  6. Conclusão
  7. Referências
  8. Apêndices (quando existirem)


Normalmente, o professor fornecerá indicações em relação a questões tais como estrutura e formato: pode, por exemplo, ser-nos pedida a apresentação de uma sinopse em aditamento ao acima exposto ou, se o relatório for muito grande, um sumário.


Para além dos pontos genéricos acima enunciados, os rela­tórios de trabalhos de campo tendem a fazer uso freqüente de subtítulos e subdivisões, e os dados são apresentados, preferen­cialmente, sob a forma de gráficos ou tabelas. O princípio orientador destes relatórios é a busca de uma estrutura e de um formato que possibilitem a apresentação ao leitor da informa­ção e da respectiva interpretação de um modo tão claro quanto possível.

------------------------------------------------------------------------------------------------


11 comentários:

  1. Olá professora, pode fazer a utilização da coluna "O MUNDO" tranquilamente.

    ResponderExcluir
  2. obrigado por nos direcionar a fazer um relatorio.
    um abraço do Macarrão

    ResponderExcluir
  3. Valeu professora por esse novo assunto, realmente desenvolver relatórios é algo mas voltado ao nosso curso...

    abraço Jailton.

    ResponderExcluir
  4. Po Jailtom, agora tu pegou pesado, desenvolver relatorios, é mais voltado para nosso curso?


    by. ARACNIDEO_

    ResponderExcluir
  5. Obrigado Professora Marta, por mais esta novidade para os sofríveis alunos de Ciência da Computação, que vão aprender a "FAZER EXCELENTES RELATÓRIOS PARA DESENVOLVER BONS PROGRAMAS". Relatórios, Ciencias da Computação, são como água e óleo, nunca se misturam. Ass.: Rafael Dias

    ResponderExcluir
  6. Macarrão dá abraço!!! Desta vez alguém (corto meu pescoço mas não falo que é o Mário) forçou a amizade!

    Ass.: Rafael Dias

    ResponderExcluir
  7. Olá professora, agradeço, pois só a senhora mesmo pra fazer eu gostar de português, aliás, gostei muito do novo assunto e da nova forma de avaliação.
    Abçs Dárcio

    ResponderExcluir
  8. Olá Marta, criei o blog. Gostei muito do seu! Temos muito o que aprender. Abraços Luiz PAulo

    ResponderExcluir
  9. ola marta estou fazendo um relatorio sobre comunicação empresarial,fundamentos da administração e tecnicas de informatica da mesma empresa como posso formata-lo ? se puder me responda no email thales-galego@hotmail.com
    desde já grato

    ResponderExcluir
  10. Vlw man... ja estava ficando desesperado. (rsrs)

    ResponderExcluir